O desmatamento da Floresta Amazônica e seus efeitos ao meio ambiente

Texto 1

O desmatamento na Amazônia chega a quase 4 mil quilômetros quadrados, segundo dados do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), o instituto que monitora a Amazônia, obtidos pelo Bom Dia Brasil. A área desmatada é equivalente a 13 vezes o tamanho da cidade de Belo Horizonte.

Entre agosto de 2017 e julho deste ano, as derrubadas aumentaram 39% em relação ao período anterior. A taxa voltou a crescer depois de uma redução de 20%.

Segundo o instituto, os estados do Pará, Mato Grosso e Amazonas concentraram quase todo o desmatamento na Amazônia. A destruição foi maior em áreas privadas, depois em assentamentos e unidades de conservação.

O Imazon afirma que a pecuária foi responsável por mais de 60% da perda de vegetação nativa. Os ambientalistas também calcularam outra forma de desmatamento: a chamada degradação florestal, que é provocada especificamente por pequenas queimadas e pela extração seletiva de madeira. Esse tipo de derrubada aumentou 220%.

(Disponível em https://g1.globo.com/natureza/noticia/2018/08/24/desmatamento-na-amazonia-chega-a-quase-4-mil-quilometros-quadrados-diz-instituto.ghtml)

Texto 2

O desmatamento  é  uma  das  ameaças  que atinge praticamente todos os biomas

brasileiros, geralmente para atender a diferentes objetivos ligados à expansão econômica. Dentre suas graves consequências, estão: perda da biodiversidade, aumento do risco de extinção de animais silvestres e redução dos serviços ecológicos prestados pela floresta, como a manutenção do clima e do ciclo hidrológico.

Segundo Relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), divulgado em 2016, o Brasil registrou, no período de 1990 a 2015, uma redução de quase 55 mil hectares no tamanho de suas florestas.

O bioma mais ameaçado pelo desmatamento é a Amazônia. Segundo dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), coordenado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a taxa de desmatamento na Amazônia Legal, por corte raso, para o período de agosto de 2016 a julho de 2017, foi de 6.624 km2/ano. Em relação à taxa do período anterior (2015-2016), quando foram mensurados 7.893 km2 de desmatamento, em 2017 houve uma redução relativa de 12% na taxa de desmatamento anual na Amazônia.

(Disponível em http://www.letrasambientais.com.br/posts/biomas-do-brasil:-conheca-as-9-principais-ameacas)

 

Texto 3

Principais causas do desmatamento:

– Extração ilegal de madeira;

– Criação ou ampliação de áreas para agricultura ou pecuária;

– Incêndios criminosos ou causados por ação da natureza como, por exemplo, queda de raios em locais de vegetação seca;

– Utilização da queimada de vegetação como técnica agrícola. Além de prejudicar o solo, é altamente perigosa, pois pode se alastrar para áreas de florestas. Esta técnica é muito usada em regiões subdesenvolvidas;

– Instalação e projetos voltados para a exploração de minérios;

– Abertura de garimpos de pedras e metais preciosos.

(Disponível em https://www.suapesquisa.com/desmatamento/causas.htm)

 

Considerando que os textos acima têm caráter unicamente motivador, redija um texto dissertativo-argumentativo acerca do seguinte tema:  O desmatamento da Floresta Amazônica e seus efeitos ao meio ambiente