O desenvolvimento econômico ou a proteção ambiental? – MPE -BA – 2017

O governo brasileiro extinguiu a Renca (Reserva Nacional de Cobre e Associados), localizada nos Estados do Pará e Amapá, com o objetivo de atrair investimentos para o setor de mineração. Um decreto do presidente Michel Temer sobre a extinção da reserva foi publicado no Diário Oficial da União nesta quarta (23) e abre o espaço para exploração privada.
Trata-se de uma área com quase 4 milhões de hectares – o equivalente ao tamanho do Espírito Santo -, que fica na divisa entre o Sul e Sudoeste do Amapá com o Noroeste do Pará. A área rica em ouro e outros minérios tem grandes reservas naturais e terras indígenas.
A reserva foi criada em 1984, ainda durante o regime militar, e mantinha área de alto potencial para exploração de ouro e outros minérios (como ferro, manganês e tântalo) em posse da União.
A extinção, proposta pelo Ministério de Minas e Energia em março, permite a concessão para exploração mineral. O
argumento da pasta era de que a medida seria necessária para viabilizar o potencial mineral da região e estimular o
desenvolvimento econômico dos dois Estados.
“Apesar do forte apelo econômico, o desenvolvimento da atividade minerária pode trazer impactos indesejáveis para as áreas protegidas inseridas na Renca, tais como explosão demográfica, desmatamento, comprometimento dos recursos hídricos, perda de biodiversidade, acirramento dos conflitos fundiários e ameaça a povos indígenas e populações tradicionais”, adverte Mauricio Voivodic, diretor executivo do WWF-Brasil.

Uma vez mais no Brasil aparece a discussão sobre uma prioridade: o desenvolvimento econômico ou a proteção
ambiental?
A partir do texto acima, publicado em UOL, elabore um texto dissertativo-argumentativo, com no mínimo 20 (vinte) e no máximo 30 (trinta) linhas, posicionando-se sobre o problema.
Utilize argumentos pertinentes e redija seu texto em língua padrão.