A automedicação como um problema de saúde pública – Proposta de Redação ENEM

Texto 1

Quem nunca tomou um remédio sem prescrição após uma dor de cabeça ou febre? Ou pediu opinião a um amigo sobre qual medicamento ingerir em determinadas ocasiões?
A automedicação, muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas, pode trazer consequências mais graves do que se imagina.
A medicação por conta própria é um dos exemplos de uso indevido de remédios, considerado um problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Segundo dados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (SINTOX), em 2003, os medicamentos foram responsáveis por 28% de todas as notificações de intoxicação. O uso de medicamentos de forma incorreta pode acarretar o agravamento de uma doença, uma vez que a utilização inadequada pode esconder determinados sintomas. Se o remédio for antibiótico, a atenção deve ser sempre redobrada.O uso abusivo destes produtos pode facilitar o aumento da resistência de microorganismos, o que compromete a eficácia dos tratamentos. Outra preocupação em relação ao uso do remédio refere-se à combinação inadequada. Neste caso, o uso de um medicamento pode anular ou potencializar o efeito do outro.
O uso de remédios de maneira incorreta ou irracional pode trazer, ainda, consequências como: reações alérgicas, dependência, além da possibilidade de levar o indivíduo à morte.

Texto 2

Uma série de situações leva os indivíduos a optarem pela automedicação: falta de recursos para ter acesso a um médico, hospital ou posto de saúde; maus hábitos culturais: Meu vizinho disse que é um remédio muito bom, minha tia já usa há muitos e muitos anos, minha mãe não ia me indicar um remédio ruim… e assim por diante. Soma-se a isso a facilidade, em nosso país, de acesso à compra de medicamentos sem receituário médico.
Nós, seres humanos, nos consideramos criaturas mais inteligentes e capazes jamais surgidas antes no planeta. Se assim fosse não deveríamos nem ter a coragem de pensar em automedicação. É uma prática extremamente perigosa e que se torna ainda mais nociva em grupos humanos com significativos fatores de vulnerabilidade, tais como: pobreza, baixo nível de educação, falta de visão crítica diante da mídia, impossibilidade de arguir os poderes constituídos, invasão pelo marketing e outros. Não existe automedicação inocente nem 100% inócua.
A automedicação vai desde uma atitude aparentemente inocente, como o uso de uma aspirina para dor de cabeça ou um antiespasmódico para cólicas menstruais até à falta de bom senso em indicar para si próprio ou para os outros tratamentos à base de antibióticos ou antidepressivos. As pessoas não imaginam quantos problemas relacionados a isso aparecem nos hospitais.
São reações alérgicas, gastrites, úlceras, acidentes vasculares cerebrais, piora do quadro clínico e aumento das dificuldades para combater doenças já instaladas. Sabemos, inclusive, que devido aos maus hábitos, até pessoas que trabalham na área de saúde fazem, lamentavelmente, automedicação. Isso ocorre também entre pessoas cultas, instruídas, sem problemas econômicos e que não teriam dificuldade para consultar um médico. Na prática, no Brasil, infelizmente, é quase sempre possível adquirir qualquer medicamento sem receita.

Com base nos textos motivadores, redija um texto dissertativo-argumentativo acerca do seguinte tema:

A automedicação como um problema de saúde pública.