Sujeito do Infinitivo

Amigos estudantes,

Este artigo terá como propósito explicar, de forma clara e objetiva, o pronome oblíquo átono como  sujeito do infinitivo e a devida concordância.

O pronome oblíquo átono funcionará como sujeito do infinitivo quando o verbo da oração principal for um dos causativos MANDAR, DEIXAR, FAZER ou um dos sensitivos VER, OUVIR, SENTIR,  e o verbo da oração subordinada, na função de objeto direto, vier no infinitivo.

Verifiquemos os exemplos com verbos causativos
Naquela ocasião, deixaram-no falar tudo que sabia. (o pronome oblíquo  funciona como sujeito da forma verbal FALAR)
Mandou-me procurar a obra de arte, mas não a encontrei.  (o pronome oblíquo funciona como sujeito da forma verbal PROCURAR)
Ninguém as fez contar a verdadeira história. (o pronome oblíquo funciona como sujeito da forma verbal CONTAR).   

Verifiquemos os exemplos com verbos sensitivos
Procuramos o delegado, mas não o vimos chegar à delegacia. (o pronome oblíquo funciona como sujeito da forma verbal CHEGAR)
Para toda a multidão as vozes pareciam apenas uma de tão afinadas. Na praça da igreja, parados, nós ouvimo-las cantar. (o pronome funciona como sujeito da forma verbal CANTAR)
Por um facínora, sentiu-se amar. Nunca que imaginara.

Quanto à concordância
Mesmo que o oblíquo átono se apresente no plural, não haverá a flexão do infinitivo.
Porém,  por necessidade, deixei-as repetir as mesmas frases proferidas no dia da Santa Missa.

Faculta-se a flexão do infinitivo (singular ou plural), quanto não houver o pronome oblíquo átono, mas o substantivo.
Porém, por necessidade, deixei as moças repetirem as mesmas frases proferidas no dia da Santa Missa.
Porém, por necessidade, deixei as moças repetir as mesmas frases proferidas no dia da Santa Missa.   

Muito bem, amigos,  tenho a ciência de compreenderam o emprego do pronome oblíquo átono na função de sujeito do infinitivo. Estou ciente também de que não mais cometerão erro quanto à concordância com o infinitivo, envolvendo verbos causativos e sensitivos.

Fiquem com Deus
Até o nosso próximo artigo
Professor Marcelo Braga


Facebook

Depoimentos

  • Davi Emanuel

    Grande professor e amigo Marcelo Braga, grato estou por seus imensuráveis ensinamentos, gerando-me excelentes notas de redação nos vestibulares por mim prestados (60 pontos na UECE e 960 pontos no ENEM.

    Leia mais
  • CAROLINA

    Professor Marcelo,

    As preciosas lições aprendidas em suas aulas e em suas correções de redação foram fundamentais para que eu obtivesse a nota máxima na prova do Tribunal Regional...

    Leia mais
  • Daniel Cristiano Fuman
    Há vários anos, presto concursos públicos, já tendo trabalhado em alguns órgãos como IBGE e INSS. Desde quando estava me preparando para o concurso de Técnico Judiciário do TRT-RS, em 2003, percebi a dificuldade de morar no interior e estar distante de bons cursos preparatórios.

    Leia mais
  • Carlos Manoel
    Professor, só para lhe agradecer pela centésima vez. Passei em outro concurso. Depois de passar para auditor SP, acabei de receber a notícia que passei para auditor em BH. Novamente por conta da "sua redação"!!!!!!

    Leia mais
  • Adriana Castro Araújo
    Grande Professor Marcelo Braga! Obrigada pelas aulas fantásticas de redação (pela dedicação e paciência também) que me levaram a conquistar a nota máxima na prova discursiva do Ministério da Fazenda realizada pela ESAF. 

    Leia mais
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5